Beleza

Conheça a história das máscaras faciais de beleza

Esse recurso tão amado da beleza é mais antigo do que você imagina
Reading time 9 minutes
Foto: reprodução/instagram @bellahadid

Durante a quarentena, existem suas máscaras importantes: a primeira sendo um acessório de proteção e a segunda uma forma de cuidado da pele. Embora uma seja certamente mais necessária do que a outra, a recém-descoberta importância da beleza e do autocuidado na era da COVID-19 criou um aumento no uso de máscaras faciais em celebridades e modelos, de Sophia Richie a Bella Hadid.

Usar uma máscara como parte de um regime de beleza pode parecer comum hoje, mas existe uma rica história por trás.  As raízes da máscara facial remontam aos tempos antigos. Quase 5.000 anos atrás, na Índia, participantes do estilo de vida holístico conhecido como Ayurveda (“vida e conhecimento”) criaram máscaras faciais e corporais chamadas ubtan, que os historiadores agora consideram como um dos primeiros produtos cosméticos do mundo. 

Os ingredientes das máscaras de ubtan mudavam com as estações, mas o básico sempre incluía ervas frescas, plantas como aloe vera, raízes como açafrão e flores. Testadas e misturadas de acordo com o tipo de pele, as máscaras atenderam ao desejo de melhorar a aparência e também contribuir para a saúde ao longo da vida. As máscaras logo se tornaram o ritual de preparação preferido das mulheres antes de cerimônias religiosas como Diwali e a cerimônia de casamento de Haldi. Hoje, os princípios do estilo de vida Ayurveda não mudaram muito, e as mulheres continuam a usar os mesmos ingredientes em suas máscaras.

 

 

Semelhante à Índia, os antigos egípcios criaram ondas nos cuidados com a pele que perduram ao longo dos séculos. Obcecados com as aparências externas, suas primeiras máscaras foram feitas de argila, leite e mel. Considerada o ápice  de beleza no mundo antigo, Cleópatra foi uma pioneira em tais práticas de beleza. Conhecido por mergulhar em banhos esfoliantes de leite, a governante aplicava uma máscara feita com lama do Mar Morto duas vezes por semana para limpar sua pele, e introduziu a clara de ovo como ingrediente de máscaras para um brilho extra.

Outro criador de tendências antigo foi Yang Guifei, da Dinastia Tang na China, anunciada como uma das Quatro Antigas Belezas da China. Para um efeito iluminador, Guifei misturou um pó de materiais naturais moídos, como pérola, jade, folhas de chá, raiz de gengibre e flor de lótus com água. As outras mulheres da corte do imperador Xuanzong rapidamente seguiram o exemplo.




 

Enquanto isso, na Roma antiga, os gurus da beleza passavam o tempo preparando misturas estranhas para o rosto. Eles começaram com ingredientes típicos como óleos e mel, mas também introduziram suco de manjericão, vinagre, gordura de ganso e até cinzas de caracol, todos por conterem propriedades curativas para a pele.

À medida que os rituais e rotinas da pele tomavam forma no mundo antigo, as ideias começaram lentamente a se espalhar para o oeste e se infiltrar na Europa. Uma olhada em qualquer pintura medieval e torna-se evidente que, para as mulheres, manter uma pele perolada e branca como porcelana estava na moda na Idade Média. 

Para tornar a pele mais pálida, as mulheres às vezes recorriam a técnicas perigosas. Eles aplicavam sanguessugas sugadoras de sangue em seus rostos, ou máscaras feitas de sangue de bezerro e lebre, pois isso reduz o aparecimento de manchas escuras e sardas.

Essa obsessão não parou no Renascimento. Na verdade, as tentativas de clarear a pele surgiram sob o reinado de Elizabeth I, que era conhecida por usar camadas de maquiagem branca como a neve para esconder os danos à pele causados ​​pela varíola. As mulheres também combinavam toxinas conhecidas hoje, como chumbo branco e mercúrio, com mel e azeite de oliva. 

 

 

Passando para os séculos 17 e 18, os cosméticos ganharam forma como uma indústria e as máscaras entraram no cenário europeu. Ao lado de um bando de perfumes e produtos de maquiagem pesados, a Rainha Maria Antonieta reintroduziu os cuidados com a pele para a sociedade, recorrendo à tradicional mistura de clara de ovo com vários solventes, incluindo o sempre francês vinho Cognac. Ela levou para casa a ideia de que sob uma maquiagem luxuosa deve sempre permanecer uma base saudável de pele.

No século 19, o mercado mudou completamente com o surgimento das lojas de departamentos, e os produtos de beleza fizeram a viagem transatlântica para a América. Uma dessas invenções da modista e costureira Madame Helen Rowley mudou literalmente a cara dos cosméticos. De sua casa em Ohio, Rowley confeccionou sua famosa “máscara de banheiro”, também conhecida como “luva facial”, patenteada em 1875.

 A criação macia e flexível apresentava tiras para a cabeça e era usada três noites por semana durante o sono. Destinada a combater a descoloração, desobstruir os poros e induzir “a transpiração com o objetivo de suavizar e clarear a pele aliviando os poros e a circulação superficial”, a luva facial foi descontinuada por se tornar um perigo de asfixia.



 

No entanto, numerosas iterações da máscara revolucionária de Rowley surgiram bem no século 20, e logo a busca por cuidados cosméticos para a pele seguros e eficazes estava em andamento. Os produtos de maquiagem surgiram ao lado da atuação no palco e no cinema, e logo os regimes de cuidados com a pele se tornaram o novo normal.

A década de 1960 viu o surgimento da ideia de limpeza e hidratação e, na década de 80, o colágeno se tornou um ingrediente da moda para aumentar a textura e a força da pele. As máscaras se tornaram um tratamento de luxo, em grande parte reservado para spas e tratamentos faciais.

Quando a K-beauty entrou no mercado americano na década de 2010, conhecida por suas extensas etapas de cuidados com a pele e ingredientes potentes, as máscaras se tornaram uma adição bem-vinda ao arsenal de beleza comum. 

 

Embebidas em séruns potentes, as máscaras finas como papel e fáceis de aplicar oferecem um tratamento facial de uma etapa que pode ser feito em casa, no avião ou em qualquer outro lugar. 

As máscaras faciais se tornaram uma etapa comum no ritual de cuidados com a pele como autocuidado. Muitos ingredientes usados ​​na tradição antiga, como açafrão e água de rosas, permanecem populares hoje. 

As máscaras se tornaram uma maneira divertida de relaxar e descontrair após um longo dia ou de preparar a pele antes de um grande evento, e são apreciadas por celebridades e fanáticos por beleza. Seja de argila ou pepino, de noite ou de manhã, a história das máscaras faciais nos lembra que bons cuidados com a pele vão longe.

Tags

beleza
skincare

posts relacionados

posts recomendados