Um café com a cineasta Sam Taylor-Johnson
Cultura

Um café com Sam Taylor-Johnson

Encontramos uma das raras diretoras de Hollywood que transitam bem entre a cena independente e os blockbusters.
Reading time 2 minutes

Ela acaba de filmar os primeiros episódios de Gypsy, da Netflix, e tem no currículo a direção de 'Cinquenta tons de cinza' e 'O garoto de Liverpool', sobre a adolescência de John Lennon. Seu trabalho mais conhecido, no entanto, talvez seja a série de fotografias 'Crying Men', em que retrata a glitterati masculina de Hollywood aos prantos, incluindo Paul Newman, Sean Penn, e Robin Williams.

Como se não bastasse, ainda fotografou o apartamento de Coco Chanel e foi eleita, em 1997, a artista jovem mais promissora na Bienal de Veneza. De jardineira vintage e chemisier Gucci, a multiartista britânica Sam Taylor-Johnson nos encontra para um café da manhã – ovo frito e abacate na torrada, chá verde e suco de laranja – no Jon and Vinny's, restaurante italiano da moda em Los Angeles.

O café da manhã é...

O momento mais importante do meu dia. Também faço, ao acordar, vinte minutos meditação transcendental, sem a qual não conseguiria conciliar tantas coisas nessa minha vida louca.

 

Quais são seus projetos?

Depois de ter feito um filme independente e um blockbuster hollywoodiano, estava madura para ir para a TV. Quando li o roteiro de Gypsy, a história de uma psiquiatra que se envolve na vida de seus pacientes perigosamente, quis fazer parte do projeto inquestionavelmente.

 

Cinquenta tons de cinza a colocou na famosa A-list dos diretores?

Não! Quando você é mulher, é como se tivesse que sempre começar do zero, provar de novo que é tão capaz quanto um homem.

 

O que o feminismo inspira em você hoje?

Quando me perguntam “você é feminista?”, é como se me perguntassem: “você é mulher?”

posts relacionados

posts recomendados