Fashion Week

Os 10 destaques da Semana de Moda de Milão

Da Versace até a Fendi, passando pelos drones da Dolce & Gabbana e cabeças da Gucci - tudo o que você precisa saber sobre os desfiles mais falados da fashion week italiana:
Reading time 5 minutes
VERSACE

As Patricinhas de Beverly Hills encontram estampas barrocas, franjas, saias de couro levíssimo, cintos afivelados e muito, muito animal print. Depois das super modelos da temporada passada, a grife de Donatella Versace mostrou a força que a nova geração tem. 

/
GIORGIO ARMANI

Um dos estilistas mais queridos da Itália fez bonito. Numa progressão de tons que ia do cinza claríssimo ao preto, a coleção recebeu uns pontos de luz com rosa e vermelho vivo. Destaque para as pantacurts e vestidos que deixavam os tornozelos de fora e para o conjunto de terno com aplicação de strass (foto). 

/
DOLCE & GABBANA

Para a grife de Domenico Dolce e Stefano Gabbana, mais é sempre mais. Precisamente 14 horas antes do seu já aguardado show de domingo, a grife fez uma apresentação surpresa com o tema “Secrets & Diamonds”. No casting, membros da realeza britânica como Lady Kitty Spencer, prima dos príncipes William e Harry; na coleção, uma explosão de brilhos em cristais, strass e glitter nos levaram ao mundo do aplicativo Kirakira. 


Para o desfile de Outono-Inverno 2018/19, nada menos que o dia anterior. Seis drones abriram a passarela, cada um trazendo uma bolsa da marca. “Batizado” de Fashion Devotion, o show estava mais para uma cerimônia religiosa: na primeira fila, os devotos convidados assistiram, na passarela, os 110 looks da coleção onde o básico (como as t-shirts e moletons com escritos “santa moda” e “fashion sinner”) encontra o exagero de estampas bizantinas, brocados, animal print e flores. 
 

/
MISSONI

A Missoni desacelerou. Com o reggae de Bob Marley tocando na trilha sonora, a grife fez referência a trabalhos artesanais da cultura jamaicana, africana, escocesa e, claro, italiana. As peças soltas do corpo provaram que é possível ser “sexy sem ser vulgar” e que as estampas (ponto forte da marca) mudavam de desenho a depender da criatividade do styling.  
 

/
TOD’S

Se a Gucci trouxe filhotes de dragão no colo de uma modelo, a Tod’s também resolveu entrar no clima de desfile-espetáculo e abriu o desfile com Gigi Hadid carregando um filhote de buldogue francês. Na passarela, mais modelos e seus filhotes apresentaram um inverno em tons quentes: trench coats, parkas, tricôs e jaquetas em nuances de amarelo, laranja e vermelho.

/
ROBERTO CAVALLI

Assumir a direção criativa em uma grande grife é sempre um desafio – principalmente quando falamos em uma casa de moda italiana. Paul Surridge apresentou sua segunda coleção para a Roberto Cavalli e acertou ao manter o DNA marca mais vivo do que nunca.

Além do animal print em demasia, o designer provou que conforto, autoconfiança e sex appeal caminham juntos – a exemplo dos vestidos de festa franjados e os fluidos com estampa degradê (assinatura da grife).
 

/

Miuccia Prada mantém elementos que fizeram sucesso na história da marca em outras temporadas – como os sapatos com aplicações em forma de fogo, hit da coleção Spring 2012.

O neon, fortemente usado pela grife nos anos 90, marcou presença em quase todas as peças, assim como o náilon. 

/
GUCCI

Provando, cada vez mais, que identidade é uma construção social e cultural, a coleção reflete muito do que a moda é hoje: um verdadeiro Frankstein de referências.

Roupas e acessórios fantásticos vieram em um mix de chapéus de pagodes chineses, baclavas de luta livre mexicana, silhuetas dos anos 20, jaquetas de couro inspiradas nas bonecas Matrushka russas, personagens japoneses de mangá, tweed com franjas e até capas monásticas com o logotipo do time de basebol New York Yankees.

/
FENDI

Para sua coleção de outono 2018, Karl Lagerfeld atraiu os olhares de todos na passarela com o xadrez e tons terrosos, além do monograma Fendi em casacos, cintos e cachecóis.

 

Em meio a shapes românticos, a grife surpreendeu ao trazer o icônico "F atrelado a outro famoso "F", de Fila. Sim, até mesmo a Fendi pegou o bonde do sportswear e fez uma colaboração com a Fila. 

/
Emilio Pucci

Sem diretor criativo desde a saída de Massimo Giorgetti, a Emilio Pucci trabalha em “modo de segurança” com sua equipe interna de designers.

A grife mantém suas estampas-assinatura, que apareceram com interessância nas saias rodadas em matelassê e nas surpreendentes texturas de doudounes.

/

posts relacionados

posts recomendados