Hommes

Saiba como foi o primeiro dia da Casa de Criadores

Maximal, colorido e fun versus uma visão mais sóbria, minimal e nada colorida do guarda-roupa (e da vida?) marcaram o evento, que começou nesta segunda (07.11) e segue até a sexta (10.11).
Reading time 2 minutes

No primeiro time (dos coloridos), está coleção da Ficosurfwear por Der Metropol, uma das melhores da noite, com um streetwear com vibe desurfe, que trazia grafismos e a iconografia da Fico reinterpretada, t-shirts cheias de onda (com estampas de Marcelo Drawordie), uma cartela de cores acesas em tons de neon, muitas peças em tyvek, modelagens amplas, slim e superconfortáveis. 

Trabalhando um universo semelhante (o da praia e do surfe), sob outro viés e com dose extra de irreverência, Felipe Fanaia fez a apresentação mais animada. Na passarela, calças e macacões máxi construídos em náilon, quase paraquedistas, casacos igualmente volumosos em neoprene e bem-humoradas camisetas recuerdo de Peruíbe e Itanhaém, entre outros destinos populares do litoral paulista. A entrada final de um animado dançarino em macacão de mergulho/surfe dançando, abrindo espacate e dando piruetas encerrou com fechação o desfile. foi super astral. O que nos leva então ao reverso dessa vibe.

Num desfile que fez pensar em "Black Mirror", Di Favaro mostrou uma coleção em preto, branco, verde oliva e marrom, olhando para o universo das redes sociais e suas batalhas, haters e lovers. Militarista e utilitária ao extremo (com máxibolsos na frente e na parte de trás de bermudas, de calças e casacos), trazia inscrições em capslock, como HATERS GONNA HATE, LOVE ME e IS IT MORE FUN ON THE COMPUTER? A última apresentação masculina da noite foi da Ocksa, que fez um desfile de perfume monásico, com os modelos carregando defumadores em looks desabados, fluidos e leves, meio hare, meio góticos, construídos com técnicas de moulage.    

Créditos: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

posts relacionados

posts recomendados