Moda

A moda perde mais um ícone: Rui Spohr

Morre Rui Spohr, um dos mais importantes estilistas brasileiros
Reading time 6 minutes
Morre Rui Spohr, um dos mais importantes estilistas brasileiros (Foto: Liane Neves)

Quem nunca teve a oportunidade de vestir uma das criações de Rui Spohr, talvez não entenda sua genialidade. Tudo é impecável em suas roupas.

Dono de uma história única na cenário nacional, Rui foi o primeiro estilista brasileiro a estudar moda no exterior. Em Paris testemunhou o surgimento de Karl Lagerfeld e Yves Saint Laurent e trabalhou com o maior chapeleiro da época - Jean Barthet, mas saudade da família o trouxe de volta para o sul do país, onde abriu seu atelier.

Assim começou sua trajetória que o transformaria em um dos nomes mais importantes da moda no Brasil. Vestiu as mais elegantes gaúchas em todos os seus 60 anos de atelier. Uma vez questionado qual seria a missão de um costureiro, respondeu:
"Temos uma obrigação: difundir beleza."

Aos 89 anos Rui Spohr faleceu, em Porto Alegre, na terça-feira, dia 30 de abril de 2019.

Uma breve linha do tempo

1929 - Nasce Flávio Spohr no dia 23 de novembro na cidade Novo Hamburgo, RS, Brasil.

1943 – Aos 14 anos, Flávio começa a trabalhar na fábrica de calçados do pai.

1948 – Cria o pseudônimo RUI ao assinar uma coluna sobre Moda para o jornal semanal NH, de Novo Hamburgo.

1949 – Muda-se para a capital do Estado, Porto Alegre, a fim de estudar Belas Artes na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e trabalhar no Citybank.

1949 – Realiza seu primeiro desfile de moda com suas criações, em Novo Hamburgo, fotografado pela Revista do Globo.

1951 – Começa a trabalhar com a costureira Elaine Caldas, Rui é o desenhista da casa.

1952 – Muda-se para a França para estudar Moda. Começa seu curso na Chambre Syndicale de La Couture Parisienne e posteriormente na École Guerre Lavigne (atual ESMOD) em Paris.

1953 – Ainda em Paris, trabalha como estagiário do chapeleiro Jean Barthet, que atendia as grandes grifes da capital francesa, além de criar para atrizes Josephine Baker, Catherine Deneuve, Sofia Loren, Brigitte Bardot, entre outras.

1955 – Retorna ao Brasil e começa a trabalhar confeccionando chapéus. Abre seu primeiro atelier. Apresenta suas criações em chapéus no Cotillon Club em Porto Alegre.

1958 – Além dos chapéus, passa também a criar roupas em seu próprio ateliê. Apresenta seu primeiro desfile de alta-costura.

1961 – Veste Bibi Ferreira (guarda-roupa particular) enquanto a atriz e cantora está em cartaz no musical My Fair Lady no Theatro São Pedro (Porto Alegre).

1962 – Entra para o “time da Rhodia”, grupo que reunia grandes nomes da moda no Brasil, criando modelos que seriam produzidos com os tecidos que utilizavam os fios da empresa.

1964 – Ganha um editorial na revista Manchete, intitulado “Moda Gaúcha”

1968 – Cria o vestido de noiva para a brasileira Ieda Maria Vargas, Miss Universo 1963.

1971 – Durante o governo do presidente da República Emílio Garrastazu Médici (1971-1974), Rui é o responsável pelos trajes da primeira-dama Sra. Scyla Médici.
– Veste oficialmente também a primeira-dama do Rio Grande do Sul, Sra. Ecléa Fernandes Guazzelli.

1974 – Inaugura Confecções RD Ltda. Prêt-à-Porter para RUI BOUTIQUE.

1988 – Começa a lecionar no curso de Estilismo do Calçado na Feevale (Federação de Estabelecimentos de Ensino Superior) em Novo Hamburgo. Foi professor da cadeira Teoria dos Estilos. Permanece na instituição de ensino por oito anos.

1989 – Cria o vestido de noiva para a modelo Deise Nunes de Souza, Miss Brasil 1986 e primeira mulher negra a receber o título de beleza no país.

1995 – O atelier Rui comemora 40 anos de atividades em moda.
– A etiqueta Rui e o Escritório de Arte Alto da Bronze realizam a exposição “Rui, Estilo em Fotos” reunindo trabalhos de diversos fotógrafos.

1997 – Lança sua biografia “Memórias Alinhavadas” escrita em conjunto com a jornalista Beatriz Viegas-Farias.

2000 – Participação da mostra “500 Anos de Design Brasileiro” na Pinacoteca do Estado de SP. Rui participou como dois vestidos em modelos geométricos retratando a década de 70, sendo o único estilista gaúcho a participar da exposição.

2011 – Convidado da mostra “Moda no Brasil – Criadores Contemporâneos e Memórias” promovida pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado) no Museu de Arte Brasileira da instituição, Rui representou a década de 70.

2017 Entra para a Academia Brasileira de Moda, em cerimônia no Rio de Janeiro.

2018 – Encerra as atividades comerciais da loja Rui Spohr.

Tags

icone
rui-spohr

posts relacionados

posts recomendados