Hommes

Pesquisadores brasileiros descobriram novos aglomerados de estrelas

Quase por acaso astrofísicos de Minas Gerais descobrem três novos aglomerados de estrelas no universo.
Reading time 3 minutes

Após as imagens em alta definição serem capturadas pelo satélite Gaia, da Agência Espacial Europeia, o físico mineiro Filipe Andrade Ferreira, de 27 anos, baixou os arquivos e começou a usar uma técnica elaborada por ele para identificar objetos em ambientes muito densos do espaço.

Para a surpresa de Ferreira, que é doutorando em astrofísicana Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a ferramenta não apenas funcionou como lhe permitiu um feito inédito: descobriu três novos aglomerados - clusters - de estrelas em movimento na Via Láctea.

O pesquisador conta que a descoberta foi quase por acaso. "Estava em casa numa tarde mexendo nos dados, não estava procurando aglomerados. Primeiro vi dois montinhos desconhecidos, o terceiro descobri depois. Fiquei empolgado, mas logo pensei que não podia ser possível. Perguntei: será mesmo que ninguém mais achou esses caras?", recorda o pesquisador que, depois de consultar bases de dados, mandou uma mensagem para o telefone do orientador. "Acho que descobri uns carinhas novos", escreveu.

Os aglomerados foram batizados em homenagem à universidade e os cinco pesquisadores brasileiros da UFMG que assinaram um artigo na edição de março da conceituada revista científica inglesa Montly Notices of The Royal Astronoicl Society.. "É uma descoberta importante porque foi de uma equipe de brasileiros totalmente radicados no Brasil, e mostra como investimento em pesquisa é fundamental", afirma Corradi, acrescentando que achados como o desses três aglomerados ajudam a entender melhor a evolução das galáxias bem como de onde viemos.

 

Além de Ferreira, que tem se dedicado a explorar áreas densas do Universo, e Corradi, que estuda onde nascem as estrelas, o laboratório conta com pesquisadores como Mateus Angelo e Francisco Maia, que estudam as estrelas mais jovens e as muito velhas, respectivamente - os quatro assinam a publicação junto com o também professor da UFMG João Francisco Santos.

posts relacionados

posts recomendados