Moda

Conheça as 5 marcas que estão redefinindo o estilo da mulher francesa

O look all black perde protagonismo para texturas naturais, tons claros e clima fresh!
Reading time 4 minutes

Se você parar para pensar na indústria da moda hoje, quase metade dos produtos de luxo mais consumidos do mundo são da Gucci. O diretor criativo Alessandro Michele rejuvenesceu a marca nos últimos anos e trouxe milhares de novos adeptos ao estilo kitsch e super desejado entre italianas e fashionistas do mundo inteiro.

Se os olhos estão na Itália em 2017, eles passaram antes pela Semana de Moda francesa em 2016, quando Maria Grazia Chiuri transformou a Dior em mulher empoderada e Demna Gvasalia fez o "feio" virar desejo na Vetements e na passarela da Balenciaga.

A moda francesa absorveu referências do mundo todo para se tornar global – como no caso da italiana Maria Grazia e o estilista da Georgia, Demna. O estilo da mulher francesa também mudou com esses processos.

Se por um lado temos a hegemonia da Chanel, de Karl Lagerfeld, com adeptas mais clássicas, como Charlotte Gainsbourg e Caroline de Maigret, além das "novinhas" Lily-Rose Depp e Kristen Stewart, o cenário da moda de hoje apresenta uma opção menos segura de look do dia. Claro, o visual all black e cool das francesas jamais vai desaparecer, mas era de se esperar que uma oposição mais fresh à esse estilo surgisse.

Estamos falando das novas marcas francesas, ou franco-americanas, ou franco-japonesas, que propõem peças atemporais e que não são desfiladas no Grand Palais. Mais do que uma negação à essa estética over-fashionista, marcas como Jacquemus e Rouje olham para o aspecto natural da feminilidade. Entenda a seguir:

/

@jacquemus: Simon Porte Jacquemus nasceu em Provance, sul da França e aos 27 anos tem uma das marcas proeminentes da moda atual. Fundada há 7 anos, celebridades como Kendall Jenner e Selena Gomez são adeptas. Suas peças são pensadas na mulher francesa, não na parisiense, com destaque para silhuetas amplas, tons solares e vibe campestre cool.

/

@rouje: Conhecida como uma das it-girls da última década – ao lado de Alexa Chung – a modelo e fashionista Jeanne Damas criou o guarda roupa ideal da mulher francesa para sua própria marca. Lançada há dois anos, a Rouje virou queridinha de francesas e americanas que buscam um look clean, mas estiloso. "A mulher americana é casual durante o dia e sofisticada de noite. A francesa se veste para ambas situações, noite e dia", a fashionista declarou em entrevista ao site Man Repeller. E ela ainda arriscou os três itens essenciais fashion: um wrap dress, uma malha de cashmere masculina e botas.

/

@aveclesfilles: Meio americana e meio francesa, a marca fundada em fevereiro por Joyce Azria – filha de Max Azria, da BCBG e Hervé Léger – tem um apelo enorme com a geração millennial e ultraconectada. Inspirada pelo estilo das parisienses, a mulher moderna da marca não desembolsa mais do que 600 dólares pelas peças, que começam a partir de 20 dólares. Além de não ter medo de usar rosa millennial. 

/

@bashparis: Presente em mais de 400 pontos de venda, a Ba&Sh, marca de roupas fundada pelas amigas Barbara Boccara e Sharon Krief se apoia em uma estética atemporal e muitas peças desejo! Vestidos fluidos, com inspiração boho nunca saem de linha, assim como estampas florais e listras. 

/

@maisonkitsune: A marca é uma mistura de selo musical e loja de roupas. Fundada em 2002 pela dupla Gildas Loaëc (ex-manager do Daft Punk) e o arquiteto Masaya Kuroki, a Maison Kitsuné se prepara para reabrir sua flagship store em Nova York, assim como se expandir ainda mais no mercado mundial. Sua estética franco-japonesa é must entre designers e fãs de looks minimal – mas divertidos. Cerca de 80% das vendas vem de consumidores que não moram na França, pois possuem mais de 300 revendedores internacionais.

posts relacionados

posts recomendados