Wellness

Comfort Foods: por que buscamos conforto físico e psicológico nos alimentos?

Conceito de comida afetiva e confortável, que lembra aconchego e remete ao aroma da cozinha, da infância, de momentos e experiências especiais que ficam para sempre na memória, traz inúmeros benefícios à saúde, tanto emocionais como físicos. Mas é necessário ter cuidado com os excessos
Reading time 6 minutes
Foto: reprodução/instagram @kendalljenner

Estamos realmente vivendo um momento difícil nessa quarentena, em que ficar em isolamento completo tem trazido à tona diversas emoções que ficavam escondidas com a correria do dia a dia (alguém aí ainda lembra dessa correria?). E, talvez a influência mais direta disso seja na relação com a comida: as farinhas, as preparações para bolo, o fermento, ingredientes de confeitaria e panificação, tudo isso nunca esteve tão presente nas nossas listas de mercado. Sabe por quê? São ingredientes típicos para os Comfort Foods:

“Por causa do momento inusitado de isolamento, muito favorável a instabilidades emocionais, o período de pandemia é muito propício para as pessoas buscarem conforto nas comidas e bebidas. O conceito Comfort Food tem origem em 1977 nos Estados Unidos como definição no Webster’s Dictionary como ‘alimento gratificante, preparado de forma simples e tradicional, que lembra a casa, a família e os amigos.’

Mais recentemente as Comfort Foods são definidas como quaisquer alimentos que, quando consumidos em determinada situação, ocasionam conforto físico e psicológico”, explica a Dra. Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia. E quem nesse momento não se lembra daquele bolo ou pão caseiro da mãe ou da avó?

 

 

Vários alimentos podem ser considerados comidas de conforto, porque a sensação está vinculada a preferências e experiências individuais. Podem ser desde comidas caseiras, receitas de família, sobremesas tradicionais, até alimentos saudáveis, com composição, textura e temperatura agradáveis. “Esse conceito ganha cada vez mais adeptos no mundo, na linha contrária dos fast foods e das receitas super elaboradas. O principal conceito da culinária comfort é a simplicidade”, diz a médica. “Essa comida afetiva e confortável mexe com a memória e é ligada às boas lembranças, trazendo aconchego, ao remeter ao aroma da cozinha, da infância, de momentos e experiências especiais que ficam para sempre na memória. Ela confere inúmeros benefícios à saúde.”

De acordo com a médica, existem dois grandes mecanismos para o conforto desencadeado pelos alimentos: o emocional e o físico. “As comidas podem proporcionar alívio emocional ou sensação de prazer em situações de fragilidade, quando associadas a períodos significativos da vida do indivíduo, como a infância ou a convivência em grupos como a família e amigos, ou ainda remeter a lembranças de lugares ou experiências positivas do passado”, diz a médica.

“Já com relação ao conforto físico, essas comidas são aquelas cujas características físico-químicas (composição, textura, facilidade na mastigação e temperatura) proporcionam ao indivíduo um bem-estar físico, além do emocional. Diferentes preferências em relação a estes aspectos podem ser relevantes e desencadear individualmente maiores ou menores ações na química cerebral”, diz a médica.

 

 

Além do Comfort Food, as pessoas também buscam prazeres em alimentos mais palatáveis, mas é necessário ter cuidado com os excessos. “Os problemas estão relacionados ao consumo excessivo e desequilibrado de alimentos que trazem conforto e prazer imediato, porém podem causar desequilíbrios metabólicos. Lembrando que ao contrário dos alimentos hiperpalatáveis, geralmente com grandes quantidades de açúcares e gorduras, que invariavelmente devem ser consumidos com muita moderação, os caracterizados como Comfort Foods podem ter composição muito equilibrada e saudável”, diz a médica.   

Mas afinal, como cuidar para que não haja um excesso? “Todo consumo excessivo e monótono deve ser evitado, inclusive os alimentos com funcionalidades de propriedades de saúde devem estar inseridos em um hábito alimentar equilibrado, pois o consumo desses alimentos de forma descontrolada pode resultar em deficiências de outros nutrientes importantes”, afirma a médica.

“A alimentação é prioridade em tempos de pandemia, por vários motivos. Os principais conceitos relativos a um hábito alimentar adequado são equilíbrio e moderação, portanto todas as vezes que ocorre o consumo de alimentos que podem impactar negativamente a saúde, este deve ser seguido de boas escolhas alimentares para compensar. Em uma dieta saudável tudo pode ser incluído, com ponderação”, finaliza a médica.

 

 

Tags

wellness
alimentacao

posts relacionados

posts recomendados