Cultura

Fotografiska, muito mais que um museu

Fotografiska é tudo menos um museu tradicional. Para complementar a arte, há experiências únicas de loja, restaurante e até mesmo um bar escondido.
Reading time 4 minutes

"Fotografiska" pode ser tudo, menos um museu tradicional. Fundado pelos irmãos Jan e Per Broman na Suécia (2010) com o objetivo de criar o local mais interessante para expor fotografia no mundo, o museu não tem uma coleção permanente e traz artistas com olhares distintos, sejam renomados ou iniciantes. O formato dinâmico e inovador acabou o tornando um dos principais pontos culturais da cidade de Estocolmo, chamando a atenção de artistas e admiradores pela Europa. Hoje é o maior museu de fotografia do mundo, que além de Estocolmo também está presente em Tallin na Estonia, Nova York nos Estados Unidos e em 2022 será inaugurado em Berlin.

Recentemente, tive a oportunidade de conhecer a versão nova-iorquina de Fotografiska que foi inaugurado em dezembro de 2019. A casa não deixa a desejar em comparação à original de Estocolmo, a qual visitei poucos anos antes. Localizada em um prédio histórico de 1980 na parte sul da Park Avenue, parece que sempre fez parte da cidade, e já na fachada do prédio, traz um contraste entre a cultura sueca e a americana.

1607103908033842 exterior 61607103908139426 exterior 001  photo  roman dean
1607103908208387 photo nov 12 12 28 19 pm1607276174212932 lobby retail 2
Foto: Divulgação

A reforma do prédio foi liderada pela renomada empresa de arquitetura CetraRuddy e manteve a ideia central do museu ser multi-conceitual. Há salas amplas com partes destinadas às exposições bem como espaços para socialização dos visitantes com o intuito de estimular diálogos entre as obras e a comunidade. E também, para complementar a arte, há experiências únicas de loja, restaurante e até mesmo um bar escondido.

O restaurante Veronica e o V Bar são operados pelo premiado grupo STARR Restaurantes, também responsáveis pelos famosos Pastis, La Merceria e Buddakan também em Nova York. Verônica, é em homenagem à santa padroeira da fotografia, o menu é do chef Robert Aikens que traz um mix de culinárias européias. Seu ambiente espetacular, desenhado pelo estúdio de design Roman e Willams, faz com que os visitantes esqueçam que não estão no velho continente. O V Bar, por sua vez, segue um formato speak-easy, que faz referência à época da lei seca nos anos 1920 em Nova York, ou seja: um bar secreto no museu.

 

1607276332954146 veronika adrian gaut11607276332870293 veronika adrian gaut4
1607276332910988 veronika adrian gaut91607276332949633 visitors 005 photo  roman dean 1
Foto: Divulgação

Seja no elevador, corredores ou nas escadas que levam de um andar para o outro, todos os espaços do museu são aproveitados para alguma obra, o que torna o passeio ainda mais interativo e divertido. Como o museu não é proprietário de nenhuma das obras que expõem e estas mudam constantemente, faz com que a visita seja sempre rica e única.

As exibições são desenvolvidas diretamente com os artistas ou galerias para que se possa ter um ponto de vista e uma mensagem clara, mesmo que haja uma grande variação de gêneros e nomes. A curadoria busca responder aos movimentos e temas sociais e culturais atuais e muitas vezes com documentação contemporânea como nas exibições que estão em destaque agora as obras de Andres Serraro, Naima Green e Martin Schoeller que tratam sobre racismo, feminismo e questões policiais.

1607276747648656 infamous  carnival games chuck vintage early 20s century board game andres serrano. courtesy galerie nathalie obadia paris brussels1607276747663037 naima green naima green pur suit detail 2019. image by megan madden
1607276747698171 martin schoeller kwame ajamu 2019 video and sound installation total running time 16 31 minutes. martin schoeller
Foto: Divulgação (Andres Serrano/ Naima Green/ Martin Schoeller)

Além dos pontos sociais, o museu também aborda o seu próprio meio como nas recentes exposições em parceira com a revista TIME e com a empresa de comunicação VICE. E claro, não seria um museu de fotografia sem exposições de grandes nomes como Annie Leibovitz, Robert Mapplethorpe, Sebastião Salgado, David LaChapelle entre tantos outros

Tags

cultura
museu

posts relacionados

posts recomendados