Cultura

Conhecimento perdido: por dentro de uma das maiores bibliotecas do Renascimento

Você conhece a história da biblioteca de Corvina? Ela foi uma das maiores bibliotecas do Renascimento que hoje tem apenas poucos exemplares conhecidos
Reading time 3 minutes
(Foto: Divulgação)

Durante o Renascimento houve um florescimento das artes e ciências na Europa, recuperando a paixão e o fascínio pelo conhecimento do período clássico que levou à criação de grandes bibliotecas como a fundada pelo rei Matias I (1458 - 1490) da Hungria, a Biblioteca Corvina, uma das maiores de sua época e que, infelizmente, praticamente desapareceu.

O rei Matías I foi um dos mais poderosos de sua época e o criador de uma das idades de ouro da Hungria. Como outros de seus contemporâneos, o rei decidiu construir uma biblioteca notável, então instruiu seus estudiosos para coletar livros importantes, onde quer que os encontrassem.

Estima-se que, após a morte do rei (1490), a Biblioteca Corvina abrigou mais de 3.000 códices, contendo mais de 5.000 textos de grande relevância. O material Corvina atendia aos mais avançados critérios científicos da época e às demandas da concepção humanista de educação. Havia os antigos autores gregos e latinos, descobertos pelos humanistas; a Bíblia e as obras de autores eclesiásticos e teólogos e estudiosos medievais, e também os escritos de humanistas contemporâneos. Entre seus assuntos favoritos estavam literatura, história, filosofia, teologia, retórica, ciência militar, medicina, arquitetura e astronomia. Os volumes foram escritos em latim, grego, árabe e até húngaro.

Na época, essa biblioteca se tornou uma das maiores de toda a Europa, superada apenas pela Biblioteca do Vaticano, que era imbatível na época. É claro que em algumas edições tornou-se o primeiro, como, por exemplo, na seção de textos científicos. Além disso, serviu de inspiração para a criação de outras coleções, como a dos Medici em Florença.

Infelizmente, após a morte do rei Matias, um período de contenda e conflito eclodiu na Hungria, que terminou com a invasão turca do reino no século XVI. A Biblioteca Corvina foi saqueada e muitos de seus códices queimados até as cinzas. Apenas 216 dos milhares de livros sobreviveram a esse terrível evento.

Hoje, a Biblioteca Nacional da Hungria trabalha para digitalizar os livros recuperados, para disponibilizar a todos na Internet.

Atualmente 216 volumes que pertenceram à Corvina são conhecidos mundialmente, dos quais apenas 53 permanecem na Hungria. A Biblioteca Nacional Austríaca possui 39; Outros 49 estão em diferentes bibliotecas da Itália, e o restante está dividido entre coleções francesas (7), alemãs (8) e da Inglaterra, Turquia e Estados Unidos.

Tags

cultura

posts relacionados

posts recomendados